O inevitável

tempo outro

Pinceladas invocadas pelo passado, onde cada traço é presente. São pequenos momentos que assimilamos, e nos permitem sorrir. Caminhos percorridos por vivências passadas e que teimam em não nos fugir. As sombras à espreita, fazem não perder o caminho, apesar do rodopio constante, imperfeito. As cores, capturadas e sempre assumidas, cheias de alma. Pequenas texturas permanecem e assumem-se em cada obra. Sempre fiel aos traços, sombras e transparências, que nos transportam para o inevitável tempo outro, onde a reflexão de cada obra, invoca passagens pelo imaginário de cada um.

Paula Gouveia

Traços e mais traços, soltos e leves que flutuam no nosso quotidiano, o antigo de outras vidas com a velocidade das atuais. Pequenas texturas que nos levam pelo presente, refletindo um passado muitas vezes indefinido, mas presente. Emoções, sensações, pequenas lembranças, que nos marcam e nos teimam em fazem sorrir. Através do tempo, transportam no nosso imaginário, formas, sombras de um impulso, através de uma indefinição sempre iminente. Sempre fiel aos seus traços, que nos transportam para o inevitável tempo outro, onde a reflexão de cada obra, invoca imagens do nosso imaginário.

PAULA GOUVEIA

Há na pintura da Paula Gouveia o apelo a querer “ver fazer”. Ver é todo um conjunto de rituais. Tons ocres castanhos e beijes pontuados por rápidas pinceladas em verdes, rosas e vermelhos. Recentemente o azul. O branco ilumina cada quadro. Que são muitos e é um só. Muitos mais dentro de cada um deles. Há concentração e, logo... o repente.; começo/recomeço; esconder/revelar; transformar para no final arriscar traços, texturas e transparências. O espanto do acaso sempre presente nas formas que lembram casas, livros, pássaros ou montes; recomeço de novas explorações; concentração intensa e o repente. E a infinita combinação de texturas.

MARGARIDA ALMEIDA SANTOS (PINTORA)

A pintura de Paula Gouveia desperta em nós a vontade de conhecer a artista. As cores da sua pintura são como um espelho, onde nos perdemos na tranquilidade que transmitem. Paula Gouveia uma pintora que se assume em plenitude, no corpo, no espirito e nos traços que são calmos e nos arrastam com uma força cheia de simplicidade poética. As suas telas transmitem-nos sombras e luz cheias de transparências suaves.

EMÍLIA CARVALHO (Designer criativa)

Ao pensar o horizonte, somos capazes de encontrar formas, imagens, palavras e inclusive sensações. Perceber que algo existe para além do real e do óbvio, é transpor a barreira do quotidiano e apontar para o imperscrutável infinito. É neste contexto que encontro nas obras da artista Paula Gouveia, contornos de mim e da minha relação com o mundo. Sombras desenhadas por uma estética permanentemente questionada e diferente em cada momento. Fazer evocar as sombras de cada um, é uma forma de linguagem de difícil compreensão. À espontaneidade de cada imagem criada, segue-se um segundo tempo mais introspectivo e que nos interroga a nós mesmos. É este o encontro definitivo entre autor e observador numa formulação renovadora e libertadora.

CARLOS GOMES (PSICÓLOGO)